Guia da Gravidez
O Médico responde – A Perguntas e Respostas
PUBLICIDADE

——————————————————————————————————–
Desde que estou grávida tenho digestões mais pesadas do que o normal. Como posso evitá-lo?

Não é estranho que sofra deste tipo de problemas, porque as hormonas da gravidez diminuem as secreções e atrasam os movimentos do tubo digestivo. É preferível, portanto, consumir comidas fáceis de digerir e, pelo contrário, evitar os molhos, os fritos e em geral os pratos muito elaborados e condimentados.
Neste sentido, por exemplo, é sempre melhor preparar os alimentos ao vapor, cozidos, assados, grelhados, ou seja, de uma forma simples.

Sei que o leite é um alimento bastante nutritivo e que, agora que estou grávida, não deveria deixar de tomar. Mas a verdade é que não gosto de leite…

Como bem diz. convém que qualquer grávida consuma leite, sobretudo pelo seu elevado conteúdo em proteínas de máxima qualidade, em vitaminas e especialmente em cálcio, mineral muito importante durante a gravidez e cujo conteúdo e pobre na maioria dos alimentos. Se não gosta do sabor natural do leite, tente acrescentar cacau, baunilha ou truta. E, se mesmo assim não gostar, substitua-o pelo consumo de produtos lácteos como o iogurte ou o queijo. É de reforçar que estes produtos constituem a principal fonte de cálcio, uma vez que dificilmente se consome a quantidade necessária deste mineral durante a gravidez a partir de outros alimentos: se por qualquer razão não forem incluídos os produtos lácteos na dieta, o médico certamente deverá receitar um suplemento para garantir que o contributo de vitaminas e de cálcio seja o adequado.

Devido a uma complicação da gravidez, o médico aconselhou à minha mulher o repouso e diz que, por isso, deve controlar a sua alimentação para não engordar demasiado. Não percebo qual é a relação…

Os alimentos dão a energia necessária para o metabolismo da grávida e para o desenvolvimento do feto, mas um excesso de calorias traduz-se numa acumulação de gordura corporal, ou seja. conduziria a um prejudicial excesso de peso. Ainda que durante a gestação aumentem as necessidades calóricas, isto tem uma estreita relação com a actividade que a grávida desenvolve. Se a gestante mantém uma vida activa, se continuar a fazer as tarefas do lar. trabalhar fora de casa e fizer exercícios, logicamente precisará de uma maior quantidade de nutrientes energéticos, mas a situação é diferente se tiver que ficar de repouso ou, de forma mais genérica, se reduzir a sua actividade relativamente à que tinha quando não estava grávida; nesse caso, é possível que as suas necessidades energéticas não aumentem. Por isso, ao calcular as necessidades calóricas de uma grávida, há que ter em consideração a actividade física que desenvolva.

A minha mãe insiste em que não deveria comer os alimentos muito salgados durante a gravidez. Faz algum sentido o seu conselho?

Antigamente considerava-se que o consumo de cloreto de sódio, o sal comum, estava relacionado com a típica retenção de líquidos que tendem a apresentar as grávidas, mas hoje em dia sabe-se que, salvo em determinadas situações, não é esta a causa principal do problema. Assim, enquanto o seu médico não lhe disser para reduzir o consumo de sal por alguma razão específica, não existe qualquer inconveniente cm comer os alimentos com uma quantidade normal de sal. Contudo, tal como em qualquer época da vida, convém moderar o consumo de sal e, portanto, há que ser cautelosa ao colocar sal nos alimentos durante a confecção e também na hora de acrescentar sal aos alimentos já servidos. Para proporcionar mais sabor aos alimentos há muitas outras possibilidades: salsa, alho, pimenta, noz-moscada e imensas ervas. Por fim, é preferível abster-se de consumir produtos demasiado salgados, sobretudo os confeccionados de forma industrial, como batatas fritas, conservas e enchidos.

Tenho tendência para engordar e receio exceder o peso durante a gravidez. Como posso evitá-lo, sem ter carências nutritivas?

Uma medida fundamental consiste em moderar o consumo de produtos muito gordurosos, os mais energéticos, como, por exemplo, carne de porco ou os enchidos e mais ainda se não contribuírem com outros nutrientes importantes: óleos, margarinas, manteiga, natas, … Também convém limitar o consumo de hidratos de carbono simples, uma vez que contribuem com uma elevada quantidade de energia que, se exceder as necessidades, pode transformar-se em gordura. Assim, há que vigiar o consumo de açúcar, tanto branco como amarelo, bem como mel, marmelada, guloseimas e produtos de pastelaria em geral.

O médico diz que, para combater a minha obstipação, o melhor é comer muitas verduras. É útil uma medida tão simples?

É o mais provável. A verdura contém fibra vegetal, que não se degrada à sua passagem pelo tubo digestivo e aumenta o volume da massa que chega aos intestinos, estimulando os seus movimentos: a sua ingestão regular constitui a forma mais simples e ao mesmo tempo efectiva para combater a típica obstipação da gravidez. Convém, portanto, consumir verduras, sobretudo as de folha verde, bem como cereais integrais, que contêm bastante fibra.

A minha irmã diz que para aproveitar as vitaminas e minerais das verduras, o melhor é comê-las cruas. É verdade?

É verdade, muitas vitaminas presentes nas verduras são destruídas com o calor, que as desnatura, e os minerais que contém são desaproveitados porque passam para a água da cozedura. Por isso, convém consumir a maior parte dos produtos vegetais crus, por exemplo em saladas, e quando não for possível o melhor é não cozinhá-los demasiado. Uma fórmula ideal para preparar as verduras consiste em cozinhá-las em pouca água e com o lume forte durante o menor tempo possível, pelo que é muito prático usar uma panela de pressão.

1 Comentários

Priscila Fernandes

2015-12-07 23:12:26 Responder

Olá! Hoje fui ao banheiro É saiu uma gosma meio Verde,isso é normal?pq meus seios estão enchados,e hoje eu senti enjoos,será que estou gravida???

Deixe um comentário

O seu email não será publicado.
Campos obrigatório estão identificados *
~ O Médico responde – A Perguntas e Respostas ~