Guia da Gravidez

Mola hidatiforme


A mola hidatiforme é um problema com origem num
desenvolvimento anómalo do tecido que normalmente origina a placenta e que, neste caso, constitui um tumor benigno formado por inúmeras vesículas que impedem o
desenvolvimento do embrião e é incompatível com o
prosseguimento da gravidez, embora o mais perigoso é que pode degenerar num tumor maligno chamado
coriocarcinoma. A sua incidência varia em diferentes regiões geográficas: enquanto que nalguns países asiáticos ocorre um em cada 125 gestações, a sua frequência é de um por cada 600-1000 gestações na América do Sul e de um por cada 1000-2000 gestações na Europa ocidental e nos Estados Unidos.

Num em cada dez casos, a mola sofre uma degeneração e transforma-se num tumor maligno denominado coriocarcinoma, que as vezes surge a partir de restos de tecido molar retido no útero após alguns meses de ter sido expulsa ou evacuada a mola. ...

A mola hidatiforme nâo provoca manitostações especificas no inicio da gravidez embora os sintomas normais costumem ser mais intensos do que o normal. Ao fim de pouco tempo costuma notar-se que o útero, ocupado por uma mola em plena ...

A ecografia facilita o diagnóstico da mola hidatiforme, que apresenta nas imagens um aspecto semelhante ao de um favo de abelhas. O diagnóstico é estabelecido a partir da sintomatologia, sobretudo quando a mulher nota a eliminação de ...

Se uma mulher sofre uma mola hidatiforme, deve ter em atenção que existe um certo risco de que o problema se repita numa próxima gravidez, o que acontece em 1-2 por cento dos casos. Se voltar a ficar grávida, é fundamental que siga um ...

_ Aumento excessivo do tamanho do útero no inicio da gravidez. _ Hemorragias vaginais, no início escassas mas depois abundantes. _ Enjoos, náuseas e vómitos mais intensos que numa gravidez normal. _ Mal-estar generalizado, emagrecimento e ...

~ Mola hidatiforme ~